::: HOME ::: BIO ::: FOTOS ::: VIDEOS ::: DISCOGRAFIA ::: CONTACTOS :::
 
 

A banda nasceu em Julho de 1997; O António, o Zé e o Fernando andavam à procura de um guitarrista e de um vocalista. Ao responder ao anúncio o Orlando contactou o Pedro, com quem já trabalhava há 2 anos, para se reunirem todos e falarem sobre um possivel projecto em conjunto.

Embora o primeiro ano tenha sido de alguma indefinição em relação ao caminho a percorrer e, após a saída de Fernando Fonseca da banda, que inicialmente se chamava CrossRoads, rápidamente a banda criou um repertório de 10 temas originais. Inevitavelmente sucederam-se pequenos concertos, gravações e mais originais. Algumas versões de temas conhecidos, como é o caso de "Come Together" dos Beatles e "Sunshine of your Love" dos Cream, foram usados pela banda várias vezes ao vivo. O tema de maior impulso junto do público foi sem dúvida o "Roadhouse Blues" dos The Doors, ao qual a banda quase se sentia na obrigação de tocar tal era o nível de aceitação por parte do pequeno grupo de fãs que já se tinha juntado.

A formação dos 4 elementos muda de nome para The Moonshiners e inicia o seu percurso para a vida na estrada. A formação estava composta:

António Sarmento – baixo eléctrico

José Augusto – bateria

Orlando Amaral – guitarra

Pedro Capelas – voz

Após ter gravado a primeira maquete na garagem, em conjunto com o guitarrista Pedro Louzeiro, de seu nome "Corn Valley Blues" em 1999, a banda reune-se no estúdio da LxPro (na altura chamava-se Lynx Studios) para a gravação do EP "Four Tapes" em 2001, marcando a sonoridade Blues-Jazz. Sucederam-se várias participações em vários concursos um pouco por todo o país, entre os quais, o 4º lugar conseguido no Ritual (6º festival de música moderna).

De salientar também a forte presença que a banda marcou com 3 concertos no lançamento do livro de von Trina, "A Dádiva Astuciosa dos Deuses" e na inclusão do tema "Dusty Dream" na banda sonora da curta metragem do realizador Rogério Sena, "Dust Story" no ano de 2000.

Foi precisamente entre os anos de 1999 e 2002 que a banda realizou bastantes concertos por todos o país, sendo que as duas noites do Ritz Club foram as mais aclamadas.

Seguiu-se em 2003 a gravação do álbum "Hell Hounds & Whiskey Rhymes" que marca uma pegada no Rock, Soul e Blues. No ano seguinte uma grande noite no Hard Rock Café Lisboa.

Depois das actuações nas FNACs e sucessivos ensaios nasceu um novo álbum em 2006 de seu nome "Black Sheep", com uma sonoridade mais negra mas muito ligada ao Blues.

Em 2007 Pedro deixa a banda por motivos pessoais. Após alguns castings os restantes elementos resolvem contratar a Catarina Raposo, a voz dos Dwelling para o lugar de Pedro. A banda assume uma sonoridade totalmente Jazzistica. Sucedem-se ensaios arduos e alguns concertos até que nasce um EP de seu nome "Dime Stories" em 2009 gravado por Nuno Roberto da Equilibrium. Também a Catarina acaba por sair da banda dando lugar a mais uma cantora. Em 2010 entra Eloísa Oliveira para a voz dos The Moonshiners. Vários concertos marcam a presença de Eloísa na banda que marca também o regresso à sonoridade mais rockeira.

Após a saída de Eloísa, Pedro Capelas regressa aos The Moonshiners no ano de 2012. A amizade que os manteve unidos durante todos estes anos "obrigava" a pequenos concertos em privado para amigos, o que levou ao regresso do primeiro vocalista da banda.

Pequenas actuações sucedem-se como a do Teatro Reflexo, em Sintra (2012), o Festival das Cores, em Santo André (2014), no Fontória, em Lisboa (2015), Faz Música Lisboa, no Jardim da Estrela (2015) e várias actuações no Pipas Bar Blues & Jazz em Mercês (Sintra).

Para breve está o novo álbum dos The Moonshiners que será anunciado na devida altura.

 

 

 

© Pedro Capelas, 2000/2016 todos os direitos reservados.